sábado, 27 de fevereiro de 2010

Vasectomia


É um procedimento cirúrgico realizado no homem com o intuito de impedir a circulação dos espermatozóides produzidos pelos testículos, após a cirurgia o homem quando chega ao orgasmo libera sêmen, mas sem espermatozóides. Encontra-se em bastante evidência nos últimos anos, pois é uma forma de controlar a natalidade sem a necessidade de a mulher passar por uma cirurgia para fazer laqueadura ou algo do gênero.

Tendo em vista que a vasectomia é um método mais prático e rápido, tem como reverter o processo com uma nova cirurgia. O único problema enfrentado pela vasectomia é a falta de informação e o machismo.

Segundo alguns especialistas, os homens têm medo do ato cirúrgico resultar, no futuro, em impotência sexual. Porém, o método utilizado na vasectomia é extremamente seguro, e o sucesso da cirurgia irá depender muito do paciente e do profissional escolhido para realizá-la. Boa parte dos casais opta pela vasectomia pelos seguintes motivos:

• Baixo custo;
• Recuperação rápida;
• As mulheres têm medo de passar por uma cirurgia por isso preferem que os maridos façam a vasectomia.

Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Pílula do dia seguinte


A pílula do dia seguinte ou pílula de emergência é um contraceptivo utilizado por mulheres que tiveram relações sexuais sem qualquer tipo de proteção ou ainda por mulheres que tiveram sua proteção rompida. A pílula é tomada em dose única ou em duas doses, obedecendo a um intervalo de 12 horas entre a tomada da primeira pílula e a segunda.

O efeito da pílula é eficaz, mas depende da rapidez com que é tomada. Nas primeiras 24 horas a pílula é eficaz em 95%, de 25 a 48 horas após a relação a eficácia da pílula cai para 85% e diminui mais ainda quando é tomada de 49 a 72 horas, chegando a 58% de eficácia. Após o período de 72 horas, a pílula de emergência não consegue mais atuar no organismo.

Como o próprio nome diz, a pílula deve ser utilizada apenas em situações de emergência, pois sua utilização contínua pode provocar reações indesejáveis e prejudiciais ao organismo. Algumas mulheres, mesmo utilizando a pílula em casos de emergência, ainda podem apresentar sinais como dor de cabeça, vômito, náuseas e sangramento.

É importante ressaltar que a pílula do dia seguinte não inibe a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, sendo sua finalidade a inibição da ovulação somente. A utilização da camisinha em todo ato sexual é extremamente importante, pois é o único contraceptivo capaz de prevenir doenças e gravidez.

A utilização da pílula do dia seguinte é alvo de muita polêmica, pois alguns médicos afirmam que a pílula tem efeito abortivo já que a fecundação se dá antes do blastócito atingir o útero materno. Outros especialistas no assunto afirmam que a pílula possui somente efeito de impedimento da fecundação, não cabendo a destruição do blastócito.

Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

Laqueadura


A laqueadura é um procedimento cirúrgico realizado em mulheres que não mais desejam engravidar. Consiste em esterilizar a mulher bloqueando as trompas de falópio para que o espermatozóide não consiga chegar ao óvulo. Para tal bloqueio são utilizados anéis de plástico, clipes de titânio, corte e/ou ligamento das trompas entre outras técnicas.

É realizado semelhante a um parto cesariano, pois é necessária uma abertura abdominal para se ter acesso às trompas. Existem mulheres que após fazer a laqueadura desejam reverter o procedimento por desejar engravidar novamente. Em 70% dos casos, a cirurgia é reversível e dá à mulher tais condições, mas é importante saber que a reversão dá condições de gestação a uma mulher dependendo do método utilizado e das lesões por ele causados. Os procedimentos mais fáceis de serem revertidos são os que utilizam anéis de plástico e clipes de titânio.

Ao realizar uma laqueadura, a mulher permanece no hospital por dois dias em observação e ao voltar para casa deve repousar por dez dias, independente do seu tipo de trabalho. A laqueadura na maioria dos casos não impede que o ciclo menstrual ocorra, salvo em situações onde algo anormal ocorra.

Existem casos raros onde a laqueadura é revertida de forma espontânea, onde o próprio organismo recanaliza as trompas de falópio permitindo assim que a mulher engravide. Este procedimento só pode ser feito em mulheres acima de 25 anos que tenha realizado duas cesarianas ou mais. É uma decisão que deve ser tomada após tamanha certeza, já que se pode permanecer estéril.

Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

Diafragma


O diafragma, um método anticoncepcional de barreira, é uma cúpula rasa feita de silicone (ou látex), com bordas firmes e flexíveis. Cobrindo o colo do útero, impede a passagem dos espermatozoides, evitando a fecundação.

Além de prevenir contra a gravidez, não tem efeitos hormonais, seu uso pode ser interrompido a qualquer momento, é relativamente fácil de ser usado, pode ser colocado em até seis horas antes da relação sexual, não é sentido pelo parceiro, pode durar por até dois anos; e previne doenças como a gonorreia, doença inflamatória pélvica aguda e câncer de colo de útero, este por evitar uma possível passagem do HPV para esta região.

Largamente utilizado antes do advento das pílulas anticoncepcionais, este método se mostra seguramente eficaz neste sentido, quando utilizado da forma correta. Quanto a isso, primeiramente a mulher deve se consultar com um médico ginecologista, a fim de verificar se há alguma contraindicação e, caso não exista, receber as orientações de uso e checar o tamanho exato do diafragma que deverá adquirir.


Como usar:

Escolha uma posição confortável (deitada, de cócoras, etc.)




Dobre-o ao meio, formando um oito, e introduza-o na vagina, cobrindo o colo do útero.




Muitos profissionais aconselham o uso associado com espermicidas com o nonoxinol-9 a 5% como princípio ativo, adicionados à cúpula antes de sua introdução; a fim de potencializar os efeitos contraceptivos pela morte de espermatozoides. Outros já indicam o uso contínuo do diafragma, retirando-o apenas no período menstrual e durante o banho, para lavá-lo; sendo reintroduzido logo depois.




Informações adicionais:

O diafragma deve ser retirado pelo menos seis horas após o coito, não se estendendo por período superior a vinte e quatro horas. No primeiro caso, tal cuidado é para evitar que espermatozoides, ainda vivos, se direcionem às trompas; no segundo, a fim de evitar infecções.

Após a retirada, o diafragma deve ser lavado com água fria e sabão neutro; e secado naturalmente, ou com auxílio de uma toalha macia e limpa. Depois, deve ser guardado em sua caixinha.

Gravidez, aborto, operação do períneo e ganho de peso acima de 5kg requerem uma nova medição para possível mudança de diafragma.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Camisinha feminina


A camisinha feminina, apesar de não ser tanto popular quanto a masculina, também é um método contraceptivo de barreira, prevenindo assim a contaminação pelo vírus da AIDS e outros micro-organismos causadores de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

Lançada no Brasil em dezembro 1997, um dos motivos pela sua aceitação no mercado não ter sido tão boa se refere ao preço, bem mais elevado que o da outra. Além disso, vergonha em adquiri-la, dificuldade no manuseio, e a própria estética também são fatores que contribuíram para tal.

Feita de poliuretano, é mais resistente, menos espessa, inodora e hipoalergênica. Tem também como vantagem o fato de poder ser utilizada durante a menstruação; cobrir uma área maior, protegendo ainda mais a mulher; e a possibilidade de ser introduzida até oito horas antes da relação sexual. Levando em consideração o argumento de que colocar a camisinha masculina “corta o clima”, esta é uma grande vantagem que a feminina possui.

De tamanho maior que o da camisinha masculina (15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro), tem formato cilíndrico, com anéis flexíveis nas extremidades. Uma destas, fechada, será introduzida próximo ao colo do útero; e a outra, ficará disposta fora da vagina. Bastante lubrificada, não fornece desconforto - desde que seja manuseada corretamente.

Após a ejaculação, deve ser retirada. É indicado que se dê uma leve torcida no material, para evitar o vazamento do esperma; embrulhe e deposite no lixo.

Observação: assim como a masculina, a camisinha feminina não deve ser reutilizada.

Por Mariana Araguaia
graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Tabelinha


A tabelinha ou método rítmico é um procedimento contraceptivo que busca prever a data da ovulação da mulher para que se evite a gravidez. Para realizar tal procedimento, a mulher deve observar no mínimo seis ciclos menstruais anotando a duração de cada um para que se conheça o tipo do ciclo menstrual, se regulado ou desregulado, e ainda o tempo de duração.

A tabelinha é um método que funciona em mulheres que possuem o ciclo menstrual regulado, ou seja, que menstruam sempre no mesmo período e que certamente fica fértil no meio do ciclo. O cálculo da tabelinha consiste em diminuir o número em que permaneceu menstruada no menor ciclo por 18 e o número em que permaneceu menstruada no maior ciclo por 11. Os dias que permanecerem entre os números resultantes das diminuições determinam o período fértil.

Para criar a tabelinha basta:

Em um papel crie quadrinhos enumerados com os dias do mês;
Marque com uma determinada cor o dia no qual se iniciou o ciclo menstrual;
Marque com outra cor do sétimo ao nono dia após a iniciação do ciclo, determinando o período de alerta;
Marque com uma terceira cor do décimo ao décimo quinto dia após a iniciação do ciclo, determinando o período fértil;
Marque com a cor selecionada para o período de alerta os dias entre o décimo sexto e o vigésimo primeiro.
Marque com a cor selecionada para os dias em que ocorre o ciclo menstrual os demais dias do mês.


Esse método não é confiavelmente seguro, pois cada organismo trabalha de maneira diferente contrariando a tabelinha.

Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

Pílula


pílula anticoncepcional é um dos melhores métodos contraceptivos. É um medicamento produzido a partir da síntese dos hormônios estrógeno e progesterona, hormônios que são produzidos nos ovários.

A pílula atua inibindo a ovulação que acontece por volta do 140 dia do ciclo menstrual.

É um método que proporciona 99% de segurança, porém sua eficácia depende muito da regularidade com que a mulher a utiliza, não deixando de tomá-la nenhum dia.

Alguns medicamentos como antibióticos e antiepilépticos podem comprometer a ação da pílula.

O uso da pílula é iniciado no primeiro dia da menstruação, os comprimidos são tomados diariamente no mesmo horário durante 21 dias. A seguir é dado um intervalo de 7 dias sem ingerir a pílula. Esse é o período em que ocorre o ciclo menstrual. Após esse intervalo, uma nova cartela é iniciada, mesmo se o sangramento não tiver cessado. Em caso de esquecimento de tomar uma pílula, esta deve ser tomada o mais rápido possível, até 12 horas do horário habitual.

A pílula pode provocar vários efeitos colaterais como: dores de cabeça, dores nos seios, enjôos e aumento de peso. A maioria desses sintomas desaparece com o tempo.

Existem vários tipos de pílulas e somente o médico pode identificar a pílula mais indicada para cada organismo.
A pílula é contra-indicada para mulheres que tiveram trombose, neoplasias, diabetes, mulheres com hipertensão arterial, hepatites e problemas cardiovasculares.

A pílula oferece as seguintes vantagens: regula o ciclo menstrual, diminui o fluxo e alivia as cólicas.

Por Patrícia Lopes

Equipe Brasil Escola

Diu


O Diu ou Dispositivo intra-uterino é um pequeno objeto plástico que serve como dispositivo anticoncepcional que substitui outros métodos quando colocado dentro da cavidade uterina. Sua função é impossibilitar o processo reprodutivo agindo de forma a dificultar a passagem do espermatozóide e alterar as características destes.

Podem ser:

Dius inertes: Quando não possuem substâncias metálicas ou hormonais em sua cavidade. É também chamado de diu não medicado.

Dius ativos: Quando contém substâncias metálicas ou hormonais em sua cavidade, fazendo com que sua eficácia aumente significantemente.

O diu é bastante seguro e não interfere no ato sexual podendo durar de 03 a 10 anos, se houver sempre avaliação médica. Pode interferir na duração e na quantidade do fluxo menstrual, provocar cólicas e ainda facilitar o aparecimento de infecções intra-uterinas. O diu deve ser sempre utilizado associado ao uso de preservativos, pois não impede a transmissão de Dsts.

Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola

Coito Interrompido

Coito Interrompido é o método de contracepção que consiste em retirar o pênis da vagina antes da ejaculação para impedir a deposição de sêmen no interior da mesma.

É um método que tem sido utilizado amplamente pelos últimos 2.000 anos, apesar de não ser muito seguro. Além de ser difícil saber o momento certo de retirar o pênis, uma pequena quantidade de esperma pode ser eliminada durante as carícias que antecedem a ejaculação.

As desvantagens que o método pode causar é uma gravidez indesejada, caso o esperma eliminado durante as preliminares caia na região da vagina; às vezes é necessário mais estímulos para a mulher conseguir o orgasmo; não proporciona proteção contras as doenças sexualmente transmissíveis; o homem pode não conseguir controlar a ejaculação.

A vantagem é que pode ser utilizado por qualquer pessoa que sentir vontade, ou não tiver acesso a outras formas de contracepção. Alguns homens o adotam a fim de protegerem suas parceiras quanto aos efeitos adversos dos contraceptivos.

Por Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola

Anel vaginal



O anel vaginal é um método contraceptivo que segue basicamente os mesmos princípios da pílula anticoncepcional, sendo indicado a mulheres que não querem utilizá-la, ou tendem a se esquecer de fazer seu uso diário. Isso porque ele é introduzido na região vaginal, permanecendo ali por três semanas, retirado (momento que ocorre a menstruação) e substituído após uma semana de intervalo. Possui grande eficácia (de 99,6% a 99,8%), não oferece incômodo e tampouco atrapalha o ato sexual.

Transparente, é feito de silicone bastante flexível, de diâmetro externo de 54 mm e espessura de 4 mm. Libera constantemente baixas doses de estrógeno e progesterona, sendo estes absorvidos pela mucosa vaginal, impedindo a ovulação. Também aumentam o muco dessa região, dificultando a passagem dos espermatozoides.

Além disso, diminui o fluxo menstrual e reduz a incidência de cólicas. Como sua absorção não se dá na região gastrointestinal, seus efeitos colaterais tendem a ser mais baixos. Alguns destes são: aumento de peso, acne, alterações de humor, dores nas mamas, dores de cabeça, náuseas, vaginite e expulsão natural do anel.

É contraindicado a mulheres com problemas de varizes, epiléticas, hipertensas, diabéticas, obesas, imunodeprimidas, lactentes e acima do peso.


Importante:

Esse método não previne infecções por micro-organismos causadores de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

Como qualquer outro anticoncepcional à base de hormônios, é recomendada a indicação médica.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

Métodos Contraceptivos - Introdução


Métodos contraceptivos são utilizados para evitar uma gravidez, e a escolha de um método para evitá-la necessita ser feita com auxílio médico, pois ele pode indicar a melhor opção para cada caso.

A prevenção de uma gravidez não planejada é essencial, principalmente para adultos, jovens sexualmente ativos e adolescentes.

É importante saber quais os métodos existentes antes de optar por algum deles. Os métodos contraceptivos são divididos em comportamentais (tabelinha), de barreira (preservativo, diafragma), dispositivo intra-uterino, métodos hormonais e cirúrgicos.

Por Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola

Terapias Complementares

As práticas complementares de saúde são muito benéficas para a saúde das PVHA e podem ser utilizadas junto com a terapia antirretroviral, sempre vistos como uma ação adicional, não podendo nunca substituir os medicamentos ARV.

Não há receitas ou fórmulas milagrosas para tratar a aids. Todos os tratamentos complementares são individualizados, levam em consideração a pessoa como um todo, avaliam o estado físico e emocional para determinar a conduta terapêutica e devem ser realizados por profissionais de saúde devidamente capacitados.

Aqui se incluem a acupuntura, a homeopatia, as ervas medicinais, massagens, como o shiatsu e a reflexologia, as práticas físicas, como o yoga e o tai chi chuan, para mencionar algumas.

A Acupuntura, por exemplo, vem sendo muito utilizada para auxiliar no tratamento dos efeitos colaterais, como enjôos, náuseas, vômitos, dores em geral.

Muitas destas terapias estão disponíveis no SUS, fazem parte da Política nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) e podem ser encontradas em vários serviços de saúde no país.

É importante mencionar que algumas ervas medicinais ou complementos alimentares muito utilizados, muitas vezes sem indicação médica, ainda que naturais, NÃO DEVEM SER USADOS junto com a medicação antirretroviral.

São exemplos: a Erva de São João (Hipérico), usada para estados depressivos leves e moderados, o Kava Kava indicado para os casos de ansiedade e agitação, a Equinácea que melhora o desempenho do sistema imunológico e o óleo de alho, que ajuda no bom funcionamento do sistema de defesa.

Essas ervas competem com alguns medicamentos antirretrovirais no seu metabolismo no fígado, fazendo com que a concentração dos remédios seja reduzida no sangue, comprometendo o bom andamento do tratamento e podendo inclusive levar à resistência do vírus aos ARV.

O alho ao natural pode ser usado normalmente na alimentação, pois tem propriedades antibióticas, antivirais e antifúngicas, além ajudar a prevenir a hipertensão e o colesterol alto. O que deve ser evitado são as cápsulas de óleo de alho concentrado.

Por isso, todos os tratamentos complementares devem ser indicados por profissionais e levados ao conhecimento do médico que faz o acompanhamento do paciente em tratamento de HIV e aids.

Medicamentos anti-aids


Desde o surgimento da aids, a busca e o investimento em pesquisas e novos medicamentos resultam em opções e esquemas de tratamento menos complexos e tóxicos, melhorando significativamente a vida dos soropositivos.
Os medicamentos antiaids dificultam a multiplicação do vírus HIV no organismo, preservando assim as células de defesa do sistema imunológico e adiando o início dos sintomas da doença. O tratamento não elimina o HIV.

Acesso aos medicamentos

Em novembro de 1996, foi promulgada a lei que permite acesso gratuito a todos os que necessitarem de medicamentos antirretrovirais.
Os 16 antirretrovirais disponíveis atualmente são distribuídos pelo Ministério da Saúde e as orientações para seu uso, baseadas em discussões técnicas com especialistas da área, são definidas pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

Antirretrovirais

Os medicamentos antirretrovirais impedem a multiplicação do vírus HIV no organismo, em várias etapas de sua reprodução. O coquetel é uma combinação de drogas que juntas evitam o enfraquecimento do sistema imunológico. Com isso, reduz o aparecimento de infecções por doenças oportunistas (aquelas que se aproveitam de um sistema de defesa debilitado para ocorrer).
Somente o profissional da saúde que acompanha o soropositivo pode determinar quando o tratamento deve começar. Essa decisão é baseada a partir das análises dos exames de controle (CD4 e carga viral) e do quadro clínico do paciente.
Por ser complexo, o tratamento antirretroviral requer acompanhamento médico para acompanhar as adaptações do organismo ao tratamento, seus efeitos colaterais e as possíveis dificuldades em sue seguimento, também chamada de adesão. Por isso, é fundamental manter o diálogo, compreender todo o esquema de tratamento e esclarecer todas as dúvidas.
Os demais profissionais da equipe envolvidos no atendimento também tem papel fundamental no tratamento e seu seguimento, como psicólogo, assistente social e nutricionista, eles irão ajudar a lidar com as dificuldades do tratamento e encontrar soluções enfrentá-las.
A rede pública de saúde dispõe dos Serviços de Assistência Especializada (SAE) aos portadores do HIV, que além de ofertar os medicamentos antirretrovirais, contam com equipe multidisciplinar. Os interessados devem procurar um SAE próximo às suas residências.

Efeitos colaterais

Apesar de aumentar a expectativa de vida dos soropositivos, os antirretrovirais causam efeitos colaterais. Em geral, ocorrem logo no início do tratamento e na maioria dos casos, desaparecem ou são atenuados após o primeiro mês de uso do medicamento. Entre os mais frequentes, encontram-se: diarréia, vômitos, náuseas e manchas avermelhadas pelo corpo - conhecidas como rash cutâneo.
Praticar alguma atividade física são cuidar da alimentação alguns dos meios de atenuar ou até eliminar alguns desses efeitos. Esclarecer todas as dúvidas e informar o médico de toda alteração no organismo durante a consulta médica periódica é fundamental. Mas não se deve abandonar o tratamento, pois suas consequências serão mais graves.
Há pessoas, entretanto, que não sentem nenhum desses efeitos, o que pode estar relacionado com características pessoais e circunstanciais.
Além desses efeitos colaterais citados, que em geral vão melhorando com o passar do tempo, o tratamento antirretroviral pode levar ao aparecimento da lipodistrofia, que é uma síndrome composta por vários sinais e sintomas.
A Sindrome Lipodistrófica ou Lipodistrofia ocasiona mudanças na distribuição de gordura do corpo e no metabolismo. Ainda não se sabe exatamente como aparece, mas sem dúvida está relacionada ao uso de alguns medicamentos antirretrovirais por tempo prolongado, e também ao próprio HIV e à constituição individual. Existem pessoas que nunca tomaram antirretrovirais e tem sinais de lipodistrofia.
As mudanças na distribuição da gordura do corpo na lipodistrofia ocorrem pela perda periférica e acúmulo central, ou seja, diminui a gordura da face, glúteos, pernas e braços e/ou aumenta a gordura no abdômen, costas, pescoço e mamas. São chamadas de alterações corporais.
Também podem ocorrer mudanças nas gorduras (colesterol e triglicérides) e no açúcar (glicose) do sangue. São chamadas de alterações metabólicas, que podem levar ao aumento do risco de apresentar doenças do coração e ao aparecimento do diabetes.
É importante ressaltar que o uso de remédios para combater qualquer efeito colateral tem que ser discutido com o médico, que está apto a indicar a medicação correta para cada caso ou fazer a troca de algum antirretroviral, se for o caso.

Uso com outros medicamentos

Todos os indivíduos que tomam o coquetel devem ter muito cuidado ao usar qualquer outro medicamento. Pode haver uma série de interações entre os medicamentos antirretrovirais (ARV) e vários remédios, inclusive os naturais (ervas medicinais), que podem causar reações perigosas ao organismo ou até mesmo diminuir o efeito do tratamento contra a aids.
Aqui se incluem alguns remédios como alguns antibióticos e ervas medicinais, como a Erva de São João (Hipérico), Equinácea, Kava Kava e até mesmo o óleo de alho em cápsulas.
É preciso manter um diálogo contínuo com a equipe de saúde que faz o acompanhamento médico, para que todas as medidas necessárias para um bom tratamento sejam tomadas. Tomar qualquer medicamento sem orientação médica deve ser evitado sempre!


Fonte: http://www.aids.gov.br/

Plano de Ação - Ano 2010

PLANEJAMENTO DE AÇOES PARA 2010

I – APRESENTAÇÃO:
O presente plano de ação tem como objetivo nortear as ações e as metas da Associação de Mulheres Madre Tereza de Calcutá da Amazônia Ocidental – AMATEC para o ano de 2010, entre elas, mobilização da sociedade em geral para realização de eventos e atividades de sustentabilidade da AMATEC.
Realizar convênios com órgãos públicos e privados para executar projetos na área de cultura meio Ambiente, geração de trabalho e renda.
Realizar convênios com órgãos públicos e privados para executar atividades de prevenção às doenças compatíveis entre elas: TB, HEPATITE, CANCER e DST/HIV/AIDS através da execução de campanhas e projetos.
Realizar convênios para executar atividades de apoio e acompanhamento comunitários às pessoas vivendo com HIV/AIDS através de visitas, atendimentos psicológicos, jurídicos e sociais.

II – OBJETIVOS:
 Reformular o Regimento interno;
 Elaborar Plano de Ação;
 Ações entre parceiros;
 Busca de novas parcerias e apoio;
 Executar projetos de sustentabilidade;
 Mobilizar grupo de voluntários para atividades na área de cultura;
 Mobilizar grupo de voluntários para atividades na área do meio ambiente;
 Mobilizar grupo de mulheres para constituir cooperativa;
 Participar e executar ações, campanhas e projetos de prevenção às doenças compatíveis;
 Elaborar projetos de acompanhamento apoio e assistência às pessoas vivendo/convivendo com HIV/AIDS;
 Promover Seminários e Fóruns de educação informativa;

III – PUBLICO ALVO:
Mulheres, crianças, adolescentes, jovens e grupos específicos de pessoas que se encontre em situações de vulnerabilidades, risco social e pessoal.

IV – ÁREA DE ABRANGÊNCIA:
Área de Atuação: Toda Amazônia ocidental, principalmente Porto Velho/RO.

V – METAS / PROJETOS:
 Aprovar e por em prática o Regimento Interno;
 Aprovar e por prática o Plano de Ação;
 Firmar parcerias para palestras e distribuição de preservativos;
 Capitar vinte parceiros para patrocinar eventos de sustentabilidade;
 Elaborar quatro projetos para angariar recursos de sustentabilidade da AMATEC;
 Executar projetos na área de cultura;
 Executar atividades na área do meio ambiente;
 Constituir cooperativa de prestação de serviços;
 Executar projetos de prevenção às doenças compatíveis;
 Executar projeto de acompanhamento, apoio e assistência às pessoas vivendo / convivendo com HIV/Aids;
 Executar e participar da realização de Seminários e Fóruns de Educação Informativa.

VII – PARCEIROS:
 Três esferas, Municipal, Estadual e Federal;
 Empresas Privadas;
 Sociedade Civil;

VI – NESSECIDADES PARA REALIZAÇÃO DAS AÇÕES:
 Transportes;
 Combustível;
 Assessoria Contábil;
 Assessoria Jurídica;
 Técnico em elaboração de projetos;
 Assessoria de Imprensa;
 Parcerias / Patrocínios;
 Local para realização de Eventos;

Regimento Interno - Ano 2010

CAPÍTULO I
DENOMINAÇÃO, REGIME JURIDICO, DURAÇÃO SEDE E FORO.

Art. 1º - A Associação de Mulheres Madre Tereza de Calcutá da Amazônia Ocidental, constituída em 15 de novembro de 1997, inscrita no CNPJ Nº. 03 864 924 /0001-24, sob a forma de Associação, é pessoa jurídica com patrimônio próprio e direito privado, sem fins lucrativos e duração por tempo indeterminado. A AMATEC tem sede e foro no Município de Porto Velho, Estado de Rondônia, com abrangência na Amazônia Ocidental, podendo sua Diretoria Geral abrir ou fechar Núcleos de Representações e Grupos de Trabalho em outros Municípios do Estado da Federação e Amazônia Ocidental.
Parágrafo Único - A AMATEC terá sua Administração composta de Diretoria Geral administrativa e órgão gestor composto de: Secretaria Executiva Gerencia Assessorias e Grupos de Trabalho. Com modelo comportamental de disciplina, ética e postura as Sócias Fundadoras, Associadas, Colaboradoras e Contribuintes terão através deste Regimento Interno um processo operacional e julgamento dos feitos que lhe são atribuídos pelo Estatuto Social, leis da Constituição da Republica e disciplina dos seus serviços.

CAPÍTULO II
OBJETIVO, DIVIDENDOS, PRIORIDADES E EXECUÇÃO.

Art. 2º - A AMATEC tem por objetivo realizar ações de assistência social com serviços de assessoramento, defesa, garantia dos direitos e promoção da cidadania, visando à melhoria das condições de subsistência e elevação do padrão da qualidade de vida, priorizando o desenvolvimento social da mulher, da criança, do adolescente, do jovem e de grupos específicos de pessoas que se encontre em situações de vulnerabilidades, risco social e pessoal.
Parágrafo Único – A AMATEC não distribui entre as suas sócias ou associadas, conselheiras, diretoras, empregados ou doadores eventuais excedentes operacionais, brutos ou líquidos, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio, auferidos mediantes o exercício das suas atividades, e os aplica integralmente na consecução do seu objetivo social. (conforme Art.1o parágrafo único da Lei 9.790/90).
Art. 3º - A AMATEC tem como prioridades executar ações nas áreas de: Saúde, Educação, Cultura, Meio Ambiente, Geração de Trabalho e Renda, etc.
Parágrafo Único - Para cumprir seus objetivos na execução de suas ações a AMATEC terá como parâmetro seu Estatuto Social conforme CAPITULO II - DO OBJETIVO DIVIDENDO PRIORIDADES E EXECUÇÃO no Art. 3º dos incisos I a IX e Parágrafo Único.

CAPÍTULO III
DAS ASSOCIADAS,DEMISSÃO,ILIMINAÇÃO, E EXCLUSÃO

Art. 4º - Podem ingressar como sócias mulheres maiores e capazes para atos civis que residam na área de influência da Associação e que concordem com as disposições deste Estatuto e que pela ajuda mútua desejem contribuir para consecução dos objetivos da AMATEC.
Parágrafo Único - Todas as sócias terão asseguradas conforme CAPITULO III - DAS ASSOCIADAS no Art. 7 a 10, parágrafos, único e incisos I, II, III (conforme Estatuto social da AMATEC).

CAPÍTULO IV
DAS SÓCIAS

Art. 5º - A AMATEC é constituída por número ilimitado de sócias, distribuídas nas seguintes categorias: sócias fundadoras, sócias colaboradoras e contribuintes, méritos (madrinha (e ou) padrinho honorários (o) e, presidente de honra).
Parágrafo Único - Todas as sócias terão asseguradas no CAPITULO IV - DAS SÓCIAS no Art. 11 dos incisos de I a VI, (conforme seu Estatuto social).

CAPÍTULO V
DIREITOS E DEVERES

Art. 6º - São direitos das sócias da AMATEC desde que estiver em dias com as obrigações sociais conforme CAPITULO V - DOS DIREITOS E DEVERES em seu Estatuto no Art. 12º nos incisos de I a V Parágrafo Único, Art. 13º incisos de I a V e Art. 14º.
Art. 7º - Projetos aprovados em qualquer área de atuação da Entidade e que foram elaborados por técnicos associados ou não, se desejar, poderá coordenar o mesmo, ou se a fonte pagar a administração terá direito desde que, contribua com 5% do valor adquirido.
Art. 8º - A associada ou não que exercer qualquer função remunerada em projetos elaborados pela mesma contribuirá com 20% do valor arrecadado.
Art. 9º - A associada ou não que exercer qualquer função remunerada em projetos elaborados pela Entidade contribuirá com 30% do valor arrecadado.
Art. 10º - A associada ou não que exercer qualquer cargo ou função remunerada pela Entidade contribuirá com 5% do valor arrecadado.
Art. 11º - A associada ou não que exercer função de coordenação de projetos terá o dever de organizar toda documentação e prestar contas à fonte pagadora, do contrario não receberá seu ultimo beneficio.
Art. 12º - As contribuição das associadas descriminadas nos Art. 7º a 10º, deverão ser depositados em banco na conta de doação e só poderão ser alteradas as porcentagens se a AMATEC obtiver isenção de todos os seus custos, ou seja, ter sua manutenção 100% garantida por outras fontes.

CAPITULO VI
DA ADMINISTRAÇÃO E OS PODERES

Art. 13º - AMATEC será administrada pela:
I - Assembléia geral;
II - Diretoria;
III - Conselho Fiscal;
Parágrafo Único – A AMATEC remunera seus dirigentes que efetivamente atuam na gestão executiva e aqueles que lhe prestam serviços específicos de: estágios, palestras, cursos e capacitações respeitando, em todos os casos, os valores praticados pelo mercado na região onde exerce suas atividades. (conforme o Art.4º, inciso VI, da Lei 9.790/99).
Art. 14º - A Assembléia Geral, é órgão soberano da instituição, se constituíra das sócias em pleno gozo de seus direitos Estatutários e Sociais.
Art. 15º - Compete à Assembléia Geral da AMATEC conforme no CAPITULO VI - DA ADMINISTRAÇÃO, de acordo com Art. 15º a Art. 21º e Parágrafo Único do seu Estatuto Social e cumprir com Art. 4º, inciso II, da lei 9.790/99.

CAPITULO VII
DA DIRETORIA

Art. 16º - A Diretoria será constituída por uma Presidente, uma vice – Presidente, primeira e segunda Secretaria, primeira e segunda Tesoureira.
Parágrafo 1º - O mandato da Diretoria será de 04 anos, com direito a reeleição consecutiva.
Parágrafo 2º - Não poderá ser eleito para cargos de Diretoria da entidade os sócios que exercem cargos de diretoria em outras instituições ou órgãos do poder público, (recomendação com base no Art. 4º, parágrafo único da lei 9.790/99).
Art. 17º - Compete à Presidência da AMATEC conforme seu Estatuto convocar grupo gestor, selecionar, autorizar, acompanhar trabalhos e supervisionar todas as ações planejadas.
Parágrafo Único - Submeter ao Grupo Gestor plano de trabalho após aprovado pela Assembléia Geral, para ser executado dentro das normas exigidas.
Art. 18º - Compete à Diretoria Administrativa da AMATEC conforme CAPITULO VII - DA DIRETORIA cumpri com os Art. 22 ao art. 30, Parágrafos e incisos do seu Estatuto Social.

CAPITULO VIII
DO CONSELHO FISCAL

Art. 19º - O Conselho Fiscal será constituído por 03 (três) membros e seus respectivos suplentes, eleitos pela Assembléia Geral.
Parágrafo 1º - O Mandato do conselho fiscal será coincidente com o mandato da Diretoria;
Parágrafo 2º - O Conselho fiscal se considera reunido com a participação de 100% de seus membros;
Parágrafo 3º - Em caso de vacância, o mandato será assumido pelo respectivo suplente, até o seu término.
Art. 20º - O Conselho Fiscal se reunirá a cada 03 (três) meses para avaliar e monitorar as contas assumidas pela diretoria administrativa.
Art. 21º - Compete ao Conselho Fiscal da AMATEC conforme CAPITULO VIII - DO CONSELHO FISCAL, cumpri com os Art. 31º a Art. 32º, incisos e Parágrafo Único do seu Estatuto Social.


CAPÍTULO IX
DOS ORGÃOS DE APOIO

Art. 22º - Para cumprir seus objetivos, fica criado e ligado diretamente a Presidência da AMATEC, o órgão gestor, Diretoria administrativa, Gerencias e Assessorias com as seguintes denominações:
I – Secretaria Executiva;
Art. 23º - Compete a Secretária Executiva:
II - Assessoria Jurídica.
Art. 24º - Compete a Assessoria Jurídica:
III. Gerência de Planejamento e Finanças;
Art. 25º - Compete a Gerencia de Planejamento e Finanças:
IV - Assessoria de Planejamento;
Art. 26º - Compete a Assessoria de Planejamento:
V - Assessoria de finanças.
Art. 27º - Compete a Assessoria de finanças:
VI. Gerência de Saúde e Educação.
Art. 28º - Compete a Gerencia de Saúde e Educação:
VII - Assessoria de Saúde;
Art. 29º - Compete a Assessoria de Saúde:
VIII - Assessoria de Educação;
Art. 30º - Compete a Assessoria de Educação:
IX - Gerência de Cultura, Meio Ambiente, Geração de Trabalho e Renda.
Art. 31º - Compete a Gerencia de Cultura, Meio Ambiente, Geração de Trabalho e Renda:
X - Assessoria de Meio Ambiente;
Art. 32º - Compete a Assessoria de Meio Ambiente:
XI - Assessoria de Geração de Trabalho e renda;
Art. 33º - Compete a Assessoria de Geração de Trabalho e renda:
XII - Assessoria de Promoção de Eventos.
Art. 34º - Compete a Assessoria de Promoção de eventos:
Parágrafo Único – A Secretaria administrativa Gerência e Assessorias serão selecionadas dentre técnicos de experiência ou formação comprovada e reputação ilibada, nomeadas pela Diretoria da AMATEC, com prioridades e critérios estabelecidos neste Regimento.
Art. 35º – A seleção da Secretaria Executiva devera ser pela Diretoria Administrativa, tendo como critérios ser pessoa comprometida com o social, com comprovada experiência profissional, mínimo de 05 (cinco) anos no quadro da AMATEC, com recomendação de no mínimo curso técnico,

CAPÍTULO X
DAS REPRESENTAÇÕES E GRUPOS DE TRABALHO

Art. 36º - Para implantar núcleos e representações fora do Estado ou mesmo em outro país da Amazônia Ocidental este Regimento Interno da autonomia a Diretoria monitorar e dar condições de realizar todas as ações planejadas.
Art. 37º - Passagens e diárias para representações fora do Município de Porto Velho/Estado serão de acordo com os valores estipulados em parâmetros Federais, bem como para monitorar e avaliar representações e núcleos fora do Município.
Art. 38º - Diárias fora do Estado terão valores diferenciados conforme tabelas de valores vigentes de acordo com os parâmetros Federais.
Parágrafo Único – A Secretaria Executiva, Gerências, Núcleos e Grupos de Trabalho, bem como seleção pessoal e administração serão estabelecidos os critérios e definidos no Regimento Interno.

CAPÍTULO XI
DA RECEITA E PATRIMÔNIO

Art. 39º - A receita da Associação será constituída:
I – Pelas contribuições das sócias fundadoras;
II - Pelas doações regulares e pontuais de associadas;
III – Pelas rendas provenientes dos resultados de trabalhos técnicos (prestações de serviços), ações ou operações de crédito;
IV – Pelas rendas auferidas de seus bens patrimoniais, venda de publicações e produtos, resultado das atividades de outros serviços que prestar;
V – Pelas rendas de eventos , bem como doações de pessoas físicas, instituições públicas e privadas, nacionais ou estrangeiras;
VI – Por outras rendas eventuais.
Parágrafo Único –. A AMATEC aplicará integralmente suas rendas, recursos e eventuais resultados operacionais na manutenção e desenvolvimento dos objetivos institucionais no âmbito do Estado de Rondônia e ou onde houver grupos de trabalho e representações.

CAPÍTULO XII
DA CONTABILIDADE

Art. 40º - A apresentação de prestações de contas da AMATEC observará as seguintes normas, (conforme o art. 4 incisos VII, da lei 9.790/99, o exercício financeiro coincidirá com o ano civil.
I – Atender os princípios fundamentais de contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade;
II – A publicidade, por qualquer meio eficaz, no enceramento do exercício fiscal, de relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade, incluindo as certidões negativas de debito junto ao INSS e FGTS, colocando a disposição para o exame de qualquer cidadão;
III – A realização de auditoria anual, inclusive por auditores externos independentes se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objeto de Termo de Parceria, conforme previsto em regulamento;
IV – A prestação de contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos será feita, conforme o parágrafo único do Art.70 da constituição federal.
Art. 41º - A prestação anual de contas será submetida à Assembléia Geral até o dia 30 (trinta) de março de cada ano, com base nos demonstrativos contábeis encerrados em 30 de dezembro do ano anterior.
Parágrafo único - A prestação de contas anual da AMATEC terá, entre outros, os seguintes elementos:
I – Relatório circunstanciado de atividades;
II – Balanço Patrimonial;
III – Demonstração de Resultados do Exercício;
IV – Parecer do Conselho Fiscal;
Art. 42º - A AMATEC manterá escrituração de suas receitas e despesas, com as formalidades capazes de assegurar a sua exatidão.

CAPITULO XIII
AS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 43º - A AMATEC será dissolvida por decisão da Assembléia Geral Extraordinária, especialmente convocada para este fim, quando se tornar impossível à continuação de suas atividades.
Art. 44º - No caso de dissolução da AMATEC, o respectivo patrimônio líquido será transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos termos da lei 9.790/99, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social.
Art. 45º - Na hipótese da AMATEC obter e, posteriormente, perder a qualificação instituída pela LEI 9.790/99, o acervo patrimonial disponível, adquirido com recursos públicos durante o período em que perdurou aquela qualificação, será contabilmente apurado transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos da mesma LEI, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. (conforme o art. 4, inciso V, da LEI 9. 790/99).
Art. 46º - O presente Regimento poderá ser reformado, a qualquer tempo, por decisão da maioria absoluta das sócias, em Assembléia Geral especialmente convocada para este fim.
Art. 47º - Os casos omissos serão resolvidos pela Assembléia Geral ouvida às entidades ou órgãos competentes, ou de acordo com a lei, quando a capacidade de seus órgãos sociais for insuficiente para tanto.
Art. 48º - Este Regimento Interno entrará em vigor após aprovado em Assembléia Geral e assinado pela presidente e secretária da assembléia.

Porto Velho, 22 de dezembro de 2009.

Lasanha de Frango



Ingredientes:

250 g de peito de frango;
500 g de massa para lasanha pré cozida;

Molho de frango:

01 cebola picada;
02 dentes de alho amassados;
02 colheres (sopa) de manteiga;
03 tomates picados sem pele e sem sementes;
02 colheres (sopa) de cheiro verde picado;
sal e pimenta do reino a gosto.

Molho branco:

02 xícaras (chá) de leite;
01 cebola ralada;
01 colher (sopa) de manteiga;
02 colheres (sopa) de amido de milho;
sal e noz moscada a gosto;
01 lata de creme de leite;
queijo parmesão ralado grosso para polvilhar.

Preparo:

1- Em um refratário, coloque a cebola, o alho, a manteiga e leve ao forno de microondas por 3 a 5 minutos na potência 10.

2- Junte o frango, os tomates, o cheiro-verde e tempere com sal e pimenta do reino. Tampe e leve ao microondas por 10 a 12 minutos na potência 10.

3- Retire do forno, separe o peito, espere esfriar e desfie. Bata o molho no liquidificador e acrescente ao frango já desfiado. Reserve.

4- Para o molho branco, coloque em um refratário o leite, a cebola, a manteiga e o amido de milho. Leve ao microondas por 5 a 6 minutos na potência 10, mexendo duas vezes durante o cozimento. Misture o creme de leite e tempere com a noz moscada e o sal.

5- Para montar a lasanha, coloque em um refratário, camadas intercaladas de molho de frango, massa para lasanha e molho branco. Repita a montagem, terminando com o molho branco por cima.

6- Leve ao microondas por 5 a 6 mins na potência 10. Polvilhe com queijo parmesão ralado, coloque o refratário sobre o suporte metálico e leve ao Grill por 6 a 8 minutos para gratinar.

Receita enviada por Suzana

Prestação de Contas - Ano 2007

Entrada
Saldo Anterior:R$ 294,20
Doações: R$ 12.702,02

Saída
Aluguel :R$ 5.861,22
Energia: R$ 1.586,78
Telefone: R$ 1.346,25
Contabilidade: R$ 4.000,00
Tarifa Bancária: R$ 90,03
CPMF: R$ 6,94
Material Permanente: R$ 105,00


Total Entrada: R$ 12.996,22
Total Saída: R$ 12.996,22
Saldo: R$ 0,00

Ponta do Abunã deve trilhar um longo caminho até a emancipação


A apenas um dia do plebiscito sobre a emancipação da Ponta do Abunã, grande parte dos portovelhenses não sabem que mesmo tendo como resultado a vitória do ‘sim’, não será suficiente para a criação do município, já que Emenda Constitucional n° 15/96 “coloca um ponto final na crescente proliferação de municípios”, segundo analista judiciário Federal, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Rondônia, Edgard Manoel. Ele explica que para a emancipação da Ponta do Abunã é necessário que sejam respeitados os requisitos impostos pela emenda 15 da Constituição de 1988, que são: consulta prévia por plebiscito junto aos moradores dos lugares envolvidos, estudo de viabilidade municipal, lei estadual e a lei complementar do Congresso Nacional que define o período de criação de novos municípios.

Edgard Manoel considera que Porto Velho está no caminho certo e acredita que mesmo não existindo ainda a lei complementar que trata da criação de novos municípios, isso não vai ser um problema, pois outras cidades já passaram pela mesma situação e conseguiram atingir este objetivo, como por exemplo na Bahia, onde foi criado o município Luís Eduardo Magalhães, porque o Supremo entendeu que seria um retrocesso não criá-lo, além de causar muitos prejuízos e transtornos para a comunidade. “Acredito que Rondônia tenha um longo caminho a trilhar após o plebiscito e penso que o STR e o TSE não queiram ir contra o crescimento de uma região”, destacou.

O analista explicou que o valor total do plebiscito é de R$ 1,282. milhão, que está sendo custeado somente pela Assembléia Legislativa. E destacou que se for o ‘sim’ o vencedor, o próximo passo é a criação da lei estadual que irá definir desde o local onde funcionarão a prefeitura e a câmara municipal até quem vai ser o prefeito tampão, já que o estudo de viabilidade municipal já foi realizado. O plebiscito deve abranger toda a população de Porto velho, sendo aptos a votar somente os eleitores que se alistaram ou revisaram seus títulos eleitorais até o dia 30 de setembro de 2009, somando um total de 257.724, só na Ponta do Abunã o eleitorado chega a 7.786, estarão disponíveis 667 seções de votação.

Disque denúncia

O TRE colocou à disposição o disque denúncia 148, um serviço de utilidade pública e gratuita que contribuirá para esclarecer dúvidas sobre o plebiscito, bem como receber denúncias de eventuais irregularidades. Todos os eleitores que fizeram transferência dos seus títulos para Porto Velho ou se alistaram após o dia 30 de setembro de 2009, devem ligar e verificar o local de votação. As ligações podem ser feitas até sábado das 8h às 18h e no dia da votação das 7h às 17h. “Este serviço foi criado em 2004 e aprimorado ao longo dos anos, nossa intenção é aproximar a justiça eleitoral da população, buscando uma maior efetividade da justiça no combate aos ilícitos eleitorais”, comentou a coordenadora de segurança das eleições, Lia Lopes.

Segundo o secretário de tecnologia do TRE, Domingos Sávio a proposta de emancipação só será considerada aprovada se obtiver o voto favorável da maioria dos eleitores que comparecerem as urnas, não sendo necessário um número mínimo de comparecimento. No dia do plebiscito além da fiscalização por parte do Ministério Público, haverá uma comissão da Assembléia que, de acordo com Domingos Sávio, é neutra para controlar e cuidar do andamento dos trabalhos, além de contar com o apoio de uma parte interessada pela emancipação da Ponta do Abunã.

Fonte: Diário da Amazônia
Repórter: Kêyla Xavier
Foto: Rafael Abreu

Malária reduz 13% no último ano na Capital

O número de casos de malária reduziu 13% em Porto Velho em 2009 comparado com 2008, como apurou o Diário da Amazônia.Foram 23.619 casos registrados em 2008 contra 20.587 do ano passado, segundo os dados do Ministério da Saúde. Nestes últimos dois anos foram registradas cinco mortes, duas somente no ano passado. A principal baixa, observada pelo Diário, foi na malária maligna, causada pelo Plasmodium falciparum que de 2008 para 2009 teve 39%. Já em janeiro deste ano já foram contabilizados 1.236 casos da doença. Em relação ao mesmo mês de 2009 a queda chegou a 33%.

De acordo com a coordenadora do departamento de epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), Rute Bessa, a redução foi uma surpresa importante. “No cenário em que vivemos a tendência era aumentar, duas usinas estão sendo construída na nossa região, temos um crescimento populacional, teoricamente a incidência da doença era para explodir, contudo conseguimos controlar o vetor”, disse ela ao Diário. Outro fator que poderia influenciar em uma alta da doença é as constantes chuvas. “Neste período existe seus prós e contras, enquanto em um lado a chuva mata a larva da malária, onde não está chovendo ela pode se proliferar”, contou.
A baixa nos casos da malária, segundo Bessa, pode ser creditada a um trabalho de prevenção e planejamento. Ações de combate ao vetor com equipes de saúde fazendo visitação nas residências para o controle vetorial, borrifação na área onde há incidência de casos, otimização da rede de diagnóstico e tratamento, e ainda aperfeiçoamento na logística de distribuição dos medicamentos foram mencionados pela coordenadora da Semusa.

Ações conjuntas

Em ações conjuntas com a Santo Antonio Energia recentemente foram entregues 14 mil mosquiteiros impregnados, cortinados embebidos com uma substância química chamada de permetrina, um produto de longa duração, para as comunidades dos distritos do Baixo Madeira e assentamento Joana Darc, segundo informado ao Diário da Amazônia. Os mosquiteiros foram avaliados em R$ 300 mil, o que totaliza o valor de 2 milhões investidos no combate a malária pelo programa de saúde pública da empresa.

Apesar da queda da doença nos últimos anos, em quatros anos (2006 a 2009) foram registradas 111.996 casos de malária na Capital, conforme verificado pelo Diário e de acordo com Bessa a região mais critica é Jacy-Paraná. “Naquela localidade sempre tivemos um alto número, mesmo antes da construção dos empreendimentos, mas em todo o município de Porto Velho a incidência do mosquito é grande, devido à floresta ser o habitat do vetor”, afirmou.

Fonte: Diário da Amazônia
Repórter: Rafael Abreu
Foto: Roni Carvalho

Cadastro nacional vai auxiliar busca a desaparecidos

VANNILDO MENDES - Agencia Estado

BRASÍLIA - O Ministério da Justiça e a Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República lançaram hoje o Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas. O objetivo é criar uma rede de investigações e acompanhamento dos casos, a partir do acúmulo de dados sobre crianças, adolescentes, adultos e idosos.

De acordo com o Ministério da Justiça, a criação do cadastro é uma política de Estado e a partir dele será possível alcançar um número real sobre casos de desaparecimentos no Brasil. A ideia é que o desaparecimento seja inserido no cadastro e, posteriormente, divulgado para todos os entes de segurança do País.

No entanto, mesmo com a implantação do Cadastro permanece a obrigatoriedade do registro de ocorrência, especialmente nos casos de desaparecimento suspeito, segundo informou o Ministério.

Dados oficiais indicam que as maiores causas de desaparecimento de crianças e adolescentes são a fuga (40%), a sequestro do menor (15%), a fuga com namorado(a) (10%) e o desaparecimento relacionado ao tráfico de drogas e à exploração sexual (5%).

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010


quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

14º Educaids

02/06/10 a 05/06/10

Local: Centro de Convenções Rebouças (Av. Rebouças, 600, Jardim Paulista - São Paulo/SP)

A edição de 2010 do Educaids pretende discutir as soluções para o enfrentamento de vulnerabilidades relativas à temática da Saúde Preventiva e da Educação – em especial as que giram em torno do HIV, aids, DST, drogas (lícitas e ilícitas), violência e abuso sexual.
Paralelamente, ocorrerão o Eduteen (encontro de jovens e adolescentes), o 5º Prêmio Paulo Freire (para educadores de rede publica) e o 2º Premio Samuel Pessoa (para estudantes de graduação, mestrado e doutorado).
As inscrições podem ser feitas somente pelo site http://www.apta.org.br/.

Fonte: http://www.aids.gov.br/

Assinatura da Portaria que garante identificação de travestis com nome social


Local: Netuanah Praia Hotel (Av. Cabo Branco, 2698, Cabo Branco - João Pessoa/PB)

João Pessoa será a primeira cidade da Paraíba a reconhecer o nome social de travestis na rede pública de atendimento. A portaria, que busca resgatar a cidadania deste público, será assinada pelo prefeito Ricardo Coutinho às 9h.

Fonte: http://www.aids.gov.br/

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

II Feijoada Entre Amigas



Venha saborear desta feijoada que tem como tempero principal a Solidariedade!







Data: 06 de Março de 2010

Local: Igreja Metodista - Rua Salgado Filho, 3587
Bairro Liberdade - Conj. Sto. Antonio

Horario: A partir das 11:30hs

Valor: R$ 15,00 por pessoa

Informações: (69) 8433-3484

Pontos de Vendas: AMATEC

* Haverá sorteio de brindes (Sanduicheira; Baby Lise; Ferro de Passar)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Ações da Amatec

Capacitãção para adolescentes multiplicadora na prevenção DST/HIV/Aids.

Curso de Informática em parceria com Santa Marcelina e Caixa Econômica Federal através da Ong Cidadania.


1º Fórum de HSH realizado no Estado de Rondônia - aprovado pelo Ministério da Saúde - Programa Nacional de DST/HIV/Aids.

Capacitação da Diretoria da AMATEC e voluntárias para atender pessoas vivendo/convivendo com HIV/Aids, realizado no Rio de Janeiro/RJ.


Lançamento Projeto Buddy no Estado de Rondônia.


1º Seminário de Adolescentes Multiplicadores em DST/HIV/Aids.

1º Encontro de Mulheres do bairro Nacional.

Projeto Amor, Esperança e União na Prevenção da Aids - 1º projeto aprovaado pelo Ministério da Saúde - Programa Nacional de DST/HIV/Aids. Realizados nas escolas de Porto Velho, Ariquemes, Candeias, Nova Mamoré, Jarú e Itapoã do Oeste.
Publico: Adolescentes
Palestras em empresas parceiras - Expresso Araçatuba.
Reuniões fundadoras, associadas e participantes.
Projeto de Capacitação para Geração de Trabalho e Renda em parceria com o SEBRAE/SEST/SENAT.
Trabalhos Voluntários com Ribeirinhos

Capacitação para Adolescente, Voluntários e Profissionais de Saúde.
Objetivos: Atendimento Humanizados
Atividades voluntárias em praças no dia Internacional de Combate a Aids.
OBS: mais fotos no Orkut: Amatec ro - amatec.ro@hotmail.com


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Solidariedade: Entre para este bloco!














Data: 03 de Abril de 2010 (Sábado de Aleluia)

Local: Clube Kabana’s (Rua das Associações, 2671 – Costa e Silva)

Valor: R$ 30,00 (Kit)

Horário: A partir das 23h00min

Informações: (69) 8433-3484 / 9275-4769 / 3223-4658

OBS: A entrega dos kits a partir das 20h00min no local.
* Os valores arreacadados neste evento serão para pagamento das despesas fixas da AMATEC.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Pessoas que vivem com tuberculose devem fazer teste de HIV

De 2002 para 2008, número de testes de HIV realizados no Brasil subiu de 26,7% do total de pacientes com tuberculose para 48%. Quanto mais precoce o diagnóstico, melhores são as chances de sobrevida dos atingidos pela co-infecção

No Dia Mundial de Luta contra a Tuberculose, o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde alerta para o fato de que a doença é a principal causa de morte entre pacientes com HIV/aids no mundo. Dos casos diagnosticados de tuberculose no Brasil, cerca de 10% são de pessoas também infectadas com o HIV. A taxa de mortalidade na co-infecção de HIV e tuberculose é de 20%.

Para reduzir os danos causados aos pacientes, o governo brasileiro tem como estratégia a rápida identificação dos casos de co-infecção. Quanto mais precoce o diagnóstico, melhores as chances de sobrevida. Em 2004, foram ofertados apenas 140 mil testes de HIV. No ano de 2009, o Ministério da Saúde distribuiu 2,448 milhões de testes rápidos à população.

A conseqüência da política de ampliação ao acesso é que em 2002 apenas 26,7% dos pacientes com tuberculose haviam feito o teste de HIV. Em 2008, este percentual subiu para 48%. Na análise dos dados referentes aos estados, verifica-se em todas as regiões do país o aumento no número de testes realizados (veja a tabela).

Percentual de teste HIV realizado em casos de TB, por UF, 2001 a 2008.

Percentual de teste HIV realizado em casos de TB, por UF, 2001 a 2008.

UF 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008
RO 13,8 15,3 16,7 22,4 28,7 39,5 40,7
AC 6,9 4,9 7,6 9,1 6,2 11,9 26,6
AM 3,3 5,1 8,7 15,9 21,9 28,2 34,1
RR 11 19,7 21,4 18,4 18,4 22,2 43,2
PA 6,1 8,9 9,8 13,9 17,3 20,8 31,4
AP 2,4 4,6 6 4,1 4,1 8,4 11,2
TO 9,1 18,8 20,4 28,7 39,1 43,6 49,3
MA 2,9 4,2 4,7 9,4 16,5 21,1 29,9
PI 5,6 4,9 9,6 14,5 23,1 29,1 34,4
CE 5,4 8,9 12,7 16,6 20,9 32,7 33
RN 4,1 8,7 9,8 15,5 19,2 24,2 25,1
PB 9,1 12,1 26,6 24,6 22,6 26,8 35,8
PE 11,6 13,6 17,2 22 29,9 30,8 33,6
AL 5,1 9,5 11 12,1 15,8 24,9 27,4
SE 6,6 7,8 14,7 16,4 16,1 31,5 39
BA 6,6 7,9 12,6 16,8 17,6 20,1 21,9
MG 21,5 22,2 22,6 28,1 32,2 39,5 43,7
ES 63,8 61,6 67 65,4 59,8 58,4 60,7
RJ 19,2 21,9 23,7 28,7 37,7 42,4 34,2
SP 66,7 70,5 72,7 73,8 71,9 76,6 78,6
PR 41,7 44,4 50,9 57,6 60,1 63,9 66,1
SC 52,5 57,9 61,4 67,9 73,1 78 78,9
RS 47,8 52,2 55,6 62,1 65,5 66,8 68,2
MS 25,1 36,4 45,1 61,2 62 59,8 65,6
MT 20,4 24,5 25,1 36,5 40,6 46,7 51,1
GO 20,8 24,4 25,8 35,6 44,1 47,3 49,8
DF 29,4 32,3 44,8 52 56 58,2 59,4

*Dados sujeitos a alteração

Mais informações
Atendimento à imprensa
Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais
Tel: (61) 9221-2546/3306 7051/ 7033/ 7010/ 7016/
Site: www.aids.gov.br - E-mail: imprensa@aids.gov.br

Atendimento ao cidadão
0800 61 1997 e (61) 3315 2425

Higiene

Existem muitas coisas que fazem parte do nosso cotidiano que são repetitivas, rotineiras. Os hábitos de higiene, por exemplo, são chatos porque os fazemos todos os dias: escovar dentes, tomar banho, comer, beber, suar, mijar, todo dia. É preciso usar criatividade para transformar essas rotinas em algo interessante. Mudar o sabor da pasta de dentes pode ser um estímulo. Ou criar uma massagem durante o banho, procurando tirar o máximo de prazer no ensaboar-se e enxugar-se. Experimente!

Alex Xavier

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

VEM AI...




II Feijoada Entre Amigas da AMATEC



Aguardem!!!!!!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Projeto Companheiro Sidadão

Direcionado a profissionais de saúde e lideranças comunitárias tendo como objetivo principal o atendimento humanizado e promover a qualidade de vida a pessoa convivendo com o HIV/Aids, através do atendimento e acompanhamento domiciliar, com apoio e atenção, através de visitas.

Projeto Topázio


Voltado aos adolescentes, tem como objetivo desenvolver atividades para contribuir na formação pessoal, fortalecimento humano e capacitação para o mercado de trabalho através de reuniões, palestras e capacitação.

Projeto Trabalhando os Direitos Humanos

Tem como principal objetivo implementar ações de defgesa dos direitos, acompanhar e promover todas as formas de orientação e assessoramento as vítimas de discriminação e preconceito, principalmente as pessoas vivendo com HIV/Aids, fornecendo informações sobre legislação específica sobre Aids, além de garantir o devido acompanhamento das ações judiciais quando necessário, dando prioridade nas áreas de direito do trabalho, previdenciário, vara de família, civil, penal e constitucional.

Projeto Buddy


Através dos seus projetos realizados no Estado de Rondônia a AMATEC ficou conhecida por outras entidades fora do Estado. Quando teve o convite após uma seleção para implantar o Projeto Buddy em Porto Velho. Projeto que iniciou nos anos 80 na Holanda, em 97 no Estado do Rio de Janeiro pelo grupo "Pela Vida".
Em Porto Velho foi lançado em 2004 com o objetivo do acompanhamento domiciliar as pessoas vivendo / convivendo com o HIV/Aids, através de atendimentos psicológicos, juridicos e sociais.

Projeto Avessos

Aprovado pelo Ministério da Saúde/Coordenação Nacional DST/HIV/Aids e Unesco. Voltado ao HSN (Homens que fazem sexo com homens) com o objetivo de contribuir nas ações de prevenção em DST/HIV/Aids.

Projeto Amor, Esperança e União na Prevenção da Aids


Aprovado pelo Ministério da Saúde/Programa Nacional DST/Aids - UNESCO direcionando a adolescentes e jovens, tendo como objetivo sensibilizar e coscientizar através de ações educativas voltadas para a formação de adoslecentes multiplicadores na prevenção do HIV/Aids.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Vimos através deste informar que por motivo de força maior a Diretoria da AMATEC decidiu adiar a realização do 1º Baile Beneficente de Máscaras, que ocorreria dia 05 de fevereiro, para dia 03 de abril do correte ano (sabado de aleluia).
Quaisquer esclarecimento, contatar a Diretoria desta instituição.
OBS: Tendo em vista o evento ser adiado antes da entidade ter feito a coleta de recursos nos pontos de vendas dos ingressos, fica sob a responsabilidade dos mesmos a devolução das vendas antecipadas.